Login Registration

Notícias do mundo Jequitinhonha

O Blog Onhas Conversou com Luciano Silveira, membro fundador e diretor da Companhia de Teatro Ícaros do Vale sobre a mais recente produção teatral do grupo, o espetáculo Terra: a história de João boa Morte, Cabra Marcado pra Morrer. 

Por Eric Renan Ramalho

Terra: A História de João Boa Morte, Cabra Marcado pra Morrer - Foto do acervo pessoal de Luciano Silveira

Desde meados da década de setenta, quando passou a ser conhecido como “vale da miséria”, o Vale do Jequitinhonha trasladou uma história de luta para superar esse anátema e construir uma simbologia positiva que estimulasse o seu desenvolvimento através de elementos inerentes a vida cotidiana da região. Na medida em que esse modelo de desenvolvimento é possível, surgiram muitas associações, sindicatos, grupos culturais, movimentos religiosos, partidos políticos e, a partir de então, a exteriorização da vida na região encontrou na resistência o valor pretor de seu processo de reprodução social. Porém, não a resistência passiva, de quem suporta pesados fardos sem nunca protestar, mas a resistência ativa, de quem se sabendo oprimido e consciente dessa condição põe a luta coletiva como prioridade. 

Nos últimos dez anos o teatro foi quem mais ganhou força, com destaque para a Associação dos Grupos de Teatros do Vale do Jequitinhonha ( AGRUTEVAJE), a Rede de Coletivos de Teatros do Vale do Jequitinhonha (RCT) e os tantos grupos de Teatros, como o Vozes e o Ícaros do Vale. Por força e persistência desses grupos, que nasceram pela iniciativa de uma juventude quase sempre sem ajuda do poder público, foi criado o Festival de Teatro do Vale do Jequitinhonha (FESTEJE), o Festival de Teatro de Araçuaí (FESTA), realizado pela primeira vez no ano passado, e o K-iau em Cena, além é claro, do garantido espaço no Festival da Cultura Popular do Vale do Jequitinhonha ( FESTIVALE).

Aliás! A Companhia de Teatro ÍCAROS DO VALE está em cartaz com um novo espetáculo. Após encenar a história de Maria Lira Marques, artesã do Jequitinhonha, a companhia leva ao público o espetáculo “Terra – A História de João Boa Morte, Cabra Marcado para morrer”, baseado na obra homônima de Ferreira Gullar. Nessa história, o Ícaros retoma o mote de muitas discussões teóricas e práticas de acadêmicos e militantes de nosso país : a injustiça social e a reforma agrária, em face de uma realidade política marcada pela ingerência de um coronelismo atroz figuram como enredo de uma trama simbólica, contestadora e em certa medida trágica. Ainda que não fosse da alçada dos idealizadores, qualquer semelhança com certas histórias que se houve pelo vale não é mera coincidência – claro que guardadas as devidas proporções – são muitos os Joões Boa morte espalhadas por nossas bandas, assim como por todo o Brasil. Mas, como tenho dito, a nossa gente é de luta, companheiro! Então, João Boa morte, representa a um só tempo as almas ermas e lutadoras do Brasil e as almas igualmente ermas e lutadoras do vale, todas eivadas pela resistência. Não “arrepare”, caro leitor, na distinção que faço entre o Brasil e o vale, é por que aqui no vale nós somos cidadãos do Brasil, mas antes tivemos que ser sujeitos do Jequitinhonha. E antes da brasileiridade, nós vivemos a jequitinhonidade!

Nos próximos dias 11, 12 e 13 de Maio, o “Ícaros” marcará presença nos palcos belohorizontinos. Na sexta, dia 11, o grupo se apresentará na praça de serviços da UFMG, encerrando a programação cultural da 13ª Feira de Artesanato do Vale do Jequitinhonha. E nos dias 12 e 13 se apresenta no palácio das Artes, com ingressos a 12 reais a entrada inteira e seis reais a meia entrada. Aproveitando o ensejo conversei, por email, com Luciano Silveira, Historiador, ator, diretor e formador cultural, e membro fundador da Companhia Ícaros do Vale. Nessa prosa ela nos fala  sobre a história do Ícaros, a História de João Boa Morte e a importância do teatro para o vale de hoje em dia.

Espia a prosa aí e depois “cê” me fala o que achou!

Blog Onhas: Para iniciar a nossa conversa, gostaria que você apresentasse um pouco da história do ÍCAROS DO VALE. Quantos anos tem o grupo? Qual a origem de seus componentes e como eles chegaram ao teatro? Qual a linguagem vocês utilizam na montagem dos espetáculos?

Luciano: A Cia de Teatro Ícaros do Vale foi fundada em 1996 por um grupo de estudantes da cidade de Araçuaí, região do médio Jequitinhonha. Movidos pelo desejo de fazer um teatro que emergisse da cultura popular, mas cumprisse também seu papel social, os atores montaram seu primeiro trabalho baseado na literatura de cordel, resgatando cantigas populares, tradições religiosas e fazendo, claro, uma crítica irreverente aos costumes. O espetáculo resultante, “A Filha que Bateu na Mãe Sexta-Feira da Paixão e Virou Cachorra”, foi apresentado em diversas ruas e praças do Vale do Jequitinhonha e ajudou a desenvolver em seus atores uma dinâmica original de improviso, relação com o público, às músicas e as danças do Vale. Nestes dez anos de existência, a Cia manteve os objetivos originais de integrar a cultura e a realidade político-social do Vale em seus trabalhos. Manteve-se uma rotina de pesquisas musicais pela região, de montagem de textos originais e de integração da música e da dança nos espetáculos. Novos atores foram sendo integrados à companhia a partir de oficinas ministradas pelo diretor e fundador Luciano Silveira e o grupo procurou a colaboração de dramaturgos e outros diretores, buscando romper o isolamento do movimento teatral da região.

Apresentação da peça "Olhos Mansos", no K-iau encena/2006 - Foto: Neilton Lima

Em 1998 a companhia montou “Os Olhos Mansos”, espetáculo remontado em 2003, baseado no universo de Guimarães Rosa. Em 2001, estreou o espetáculo “No Caroço do Juá”, baseado em crônicas cotidianas de jornais regionais. Em 2003, com dramaturgia de Fernando Limoeiro e baseada nas canções de Caymmi, nasceu “História de Pescadores”. No ano de comemoração de dez anos de existência, a Companhia convidou o diretor João das Neves para transformar em espetáculo a vida de Maria Lira Marques. O espetáculo “Maria Lira” representou um grande salto na história da Cia. Em 2008 o grupo monta seu primeiro monólogo com direção de Ribamar Ribeiro. O texto escolhido é A MAIS FORTE do dramaturgo irlandês August Stringberg. O intercâmbio com diretores e grupos de projeção nacional criou para a companhia novas perspectivas e ratificou seu compromisso com o teatro e a sociedade do Jequitinhonha. Em 2009 começamos a pesquisa do espetáculo TERRA.

O grupo tem hoje 15 anos. O Ícaros tornou-se uma referência na região pela forma como trabalha a cultura popular. — Desde que surgimos ainda alunos do ensino médio, pesquisamos junto à comunidade os possíveis espetáculos, para que através dessa pesquisa fossem surgindo peças feitas sobre nós e para nós. Assim o grupo foi criando corpo, e já estamos no sétimo trabalho, sempre variando entre teatro de rua e palco .

Blog Onhas: Atualmente vocês estão em cartaz com a peça “Terra – A História de João Boa Morte: Cabra Marcado pra Morrer”. Você pode apresentar em resumo um pouco dessa história ?

Luciano: O espetáculo mergulha nas fontes populares e iletradas da poesia, recuperando a tradição dos cantadores do Vale do Jequitinhonha, com seus poemas narrativos vazados em linguagem simples e apoiados em métrica e rima de forte apelo mnemônico.

 O espetáculo que também comemora o aniversário de 80 anos do poeta Ferreira Gullar e denuncia os 16 anos de impunidade da chacina de Eldorado dos Carajás, inclui músicas de domínio público, pois cumpre o objetivo de integrar a população das cidades com a companhia que no ano de 2011 completou 15 anos de atuação no teatro do Vale do Jequitinhonha. O espetáculo conta a história de um lavrador que reage à exploração do fazendeiro e, por esta razão, é condenado a vagar pelo sertão, pois não encontra ninguém que lhe dê emprego. Quando resolve matar a mulher, os filhos e a si próprio, encontra Chico Vaqueiro, que o conduz ás ligas camponesas. Num mundo configurado como palco de embate entre o bem e o mal, Gullar expressa o pensamento de intelectualidade do povo em denunciar as mazelas de seus governantes. Esse texto escrito por FERREIRA GULLAR entre os anos de 1962-1967 apresenta claramente a realidade político-social brasileira da época. A literatura de cordel vai servir de instrumento á causa revolucionária. Na montagem a companhia incorpora ainda textos e dados históricos, como o MST e poemas e textos de pessoas como JOSÉ SARAMAGO, PEDRO TIERRA, entre outros, acreditando que a atualização criteriosa das tradições artísticas é a única forma de salvaguardá-las e contribuir para desenvolvimento de nossa região. No espetáculo abordamos a luta de classes e organizações em defesa da vida, contra a ideologia dominante que tem mantido o Vale rural séculos de atraso em relação às conquistas sociais. A política da ditadura do boi refletindo profundamente sobre o êxodo rural na região.

Blog Onhas: Como foi o processo de pesquisa para elaboração do roteiro, construção dos personagens e confecção do figurino?

Luciano: Terra fala sobre reforma agrária, a luta pela terra por aqui e pelo país. Para isso visitamos assentamentos e recolhemos depoimentos. Normalmente os nossos espetáculos, principalmente de rua, tem participação do público, e neste usamos ainda mais esse recurso — acrescenta. O processo de montagem se deu através de uma pesquisa minuciosa sobre a luta pela terra no Brasil. O fio condutor é o texto JOÃO BOA MORTE de Ferreira Gullar. Os personagens foram surgindo através de exercícios de improvisação e de leituras dramáticas. O figurino remete à fartura, pois é todo cheio de grãos, dando a ideia que o homem é uma semente e que será um fruto da terra.

Blog Onhas: Os textos encenados pelo “Ícaros” sempre tiveram preocupação em incluir nas cenas elementos típicos da cultura do vale do Jequitinhonha, além de questionamentos sociais. Em que medida o espectador encontrará esses elementos figurando em “Terra”?

Luciano: Nosso teatro é politico ao mesmo tempo é uma maneira de denunciar as injustiças tão presentes neste país. A cultura popular do vale está nas roupas, nas músicas, pois não sabemos ser distantes disso que se chama cultura popular. Alimento que vamos regurgitando sem pretensões acadêmicas, mais com uma vontade danada de que as pessoas se reconheçam nos enredos que urdimos, nos cantos que entoamos. Como sabemos, “João Boa-Morte, cabra marcado pra morrer”, de 1962, nasceu a convite de Oduvaldo Vianna Filho e foi (mais ou menos) distribuído como folheto após não ter tido sucesso por meio da encenação teatral. Conta à história de um lavrador que era explorado por um fazendeiro para o qual trabalhava na Paraíba. Foi escrito com uma estrutura irregular nas estrofes, mas mantendo uma base de oitavas, rimadas aleatoriamente e em redondilhas maiores. No poema, podemos encontrar alguns excessos de militância e propaganda, como estes:

 Que a luta não esmorece

Agora que o camponês

Cansado de fazer prece

E de votar em burguês

Ergue-se contra a pobreza

E outra voz já não escuta,

Só a que o chama pra luta

– voz da Liga Camponesa.

Mas se, em alguns momentos, o poeta mais fala de revolução do que a faz dentro da arte que pratica, em outros, podemos achar exemplos de boa música nordestina e alguma ironia cabralina:

 Naquela terra querida,

Que era sua e que não era,

Onde sonhara com a vida

Mas nunca viver pudera,

Ia morrer sem comida

Aquele de cuja lida

Tanta comida nascera.

Terra: A História de João Boa Morte, Cabra Marcado pra Morrer - Foto: Vilmar Oliveira

O vocabulário é simples, para a compreensão do povo, e a narrativa cria a oposição entre o poder dos coronéis, donos das terras nordestinas, e o trabalhador dessas terras, que vive a penúria do dia-a-dia, sem perspectivas de melhorar sua condição de vida. O relato mostra a ausência de resultado positivo do trabalho para o trabalhador explorado e acompanha a disputa entre coronel e trabalhadores pelo preço dos produtos e pela liberdade de venda deles. Nessa disputa, o coronel usa seu poder de intimidação e mata, com seus jagunços, os que não se submetem. João Boa-Morte, dada sua condição de miserabilidade e o sofrimento da família, resolveu enfrentar o coronel Benedito conclamando os companheiros à reação. Mas o que lhe aconteceu foi perder o lugar onde trabalhava e ter que vagar com a família passando fome e não sendo aceito em lugar nenhum como represália por ter enfrentado o patrão. Em andanças e fome por longo período e distância, morreu o filho mais moço. João, em desespero e sozinho, pensou em matar o resto da família e depois se matar também. Quando estava para executar sua sina, Chico Vaqueiro o encontrou e o demoveu do crime, convencendo-o a lutar junto de companheiros da Liga Camponesa que organizavam a resistência contra os coronéis. O poema termina com a exortação de que, para mudar a situação, é preciso unir o camponês para realizar a revolução. Em essência, o poema resume a sina de muitos sertanejos posseiros de terras ou sem-terras que ousassem liderar qualquer movimento de mudança na relação com os coronéis para quem trabalhavam, que tratavam o homem livre em regime similar ao da passada escravidão.

O poema traduz o canto que conclama o povo à resistência contra a exploração de seu trabalho, não apresenta singularidades formais a não ser a simplicidade de versos populares, e nem é intenção ser diferente, pois quer ser o que é: denúncia. Não há especulação ou inovação formal nos versos, apenas integração do poeta com as agruras da vida rural de seu tempo e dos movimentos de conscientização levados ao campo pela organização comunista das Ligas Camponesas. O poeta está dizendo que não pode passar imune a essa realidade e que precisa não só compor a poesia da e para a elite na sua perseguição à inovação e renovação intelectual, mas também dizer do homem comum em linguagem comum, o sofrimento comum para comover e conquistar. É o poeta buscando comunicação fora de seu espaço característico e para isso precisa adequar sua palavra

 Blog Onhas: Ao longo de mais de 40 anos o Vale do Jequitinhonha tem lutado para superar o estigma de “Vale da Miséria”. Essa luta uma simbologia que hoje caracteriza a região como “Vale de Cultura”, para que isso acontecesse contribuíram muito nomes de Militantes como Tadeu Martins, George Abner, Aurélio Silby e demais colaboradores do Jornal Geraes. Também contribuíram músicos com certo renome nacional, como Rubinho do Vale, Paulinha Pedra Azul e Saulo Laranjeira e agora Déa Trancoso e Pedro Morais, só para citar alguns exemplos. Além desses os corais, com notoriedade para os Trovadores do Vale, As Lavadeiras de Almenara, e o artesanato representado por Lira Marques, Dona Isabel e Ulisses Mendes. O Teatro, aparentemente, não tem a mesma expressividade que os artistas citados, mas sabe-se que ele existe. Diante disso, gostaria que você destacasse qual o lugar do Teatro na construção dessa nova simbologia para o Vale do Jequitinhonha.

Luciano: O teatro no Vale do Jequitinhonha cresceu muito nos últimos 10 anos, sendo o destaque desta década. A forma como [os grupos] se organizam em coletivos e associações como AGRUTEVAJE (Associação dos grupos de teatro do Vale do Jequitinhonha) e RCT (Rede de Coletivos teatrais do Vale do Jequitinhonha), com o objetivo de fortalecer o teatro do Vale do Jequitinhonha, em Minas Gerais; a RCT — Rede de Coletivos Teatrais – reúne grupos de teatro locais, a maioria com muitas dificuldades financeiras, para lutar em prol das artes cênicas na região. Entre os inimigos, além da falta de recursos para montar até um espetáculo simples, está a grande evasão de jovens, obrigados a deixar a região para estudar fora, já que não há cursos de teatro, dança ou música em todo o Vale, apesar do local ser conhecido em todo o país como de grande riqueza cultural.

 — A RCT se reuniu pela primeira vez em 2008, quando os grupos de teatro daqui, após o ÍCAROS DO VALE chegar da III Mostra Latino Americana de Teatro de Grupo, em São Paulo, sentiram a necessidade de se unir para fortalecer o nosso teatro. A proposta da rede é uma gestão de baixo para cima, ou seja, dos grupos para os grupos, onde os membros da diretoria recentemente formada nada mais são do que idealizadores, ponderadores e concretiza dores — fala Luciano Silveira, presidente a rede.

 — Todavia, as veredas são estreitas e íngremes, temos que caminhar de mãos dadas para não pisar em falso. O teatro, então, no VALE tem sido com certeza a área artística mais organizada atualmente na região e a principal responsável pela perpetuação e promoção de sua identidade local

 Blog Onhas: Para Finalizar, gostaria que você anotasse a agenda do Ícaros e os contatos de grupo.

 Luciano:

Site: www.onhas.com.br/icaros

05 e 06 MAIO: Reunião da Rede de Coletivos Teatrais do Vale do Jequitinhonha-Capelinha

11 de Maio:TERRA-A história de João Boa Morte-Cabra Marcado para morrer

Feira de artesanato da UFMG-Campus da Pampulha-BH

12 e 13 de Maio: TERRA-A história de João Boa Morte-Cabra Marcado para morrer

Palácio das Artes-BH

18 de Maio: TERRA-A história de João Boa Morte-Cabra Marcado para morrer

Semana de integração da UFVJM

Diamantina-MG

25 de Maio: TERRA-A história de João Boa Morte-Cabra Marcado para morrer

Centenário da cidade Pedra Azul

08 de Junho: TERRA-A história de João Boa Morte-Cabra Marcado para morrer

I FESTTO (Festival de teatro de Teófilo-Otoni)

Contato

Luciano Silveira

(33)91392645

(33)3731-3553

silveira-luciano@bol.com.br

Clique sobre as fotos para vê-las em tamanho ampliado;


Recebe nossas notícias. Cadastre-se.